Fortaleza já usou camisa preta

Após o lançamento da campanha pelo Náutico, assunto ganhou força na torcida tricolor

20 de setembro de 2020

E se o Fortaleza também fizesse uma camisa preta em referência ao combate contra o racismo? Bastou alguém defender a ideia que a discussão se estende desde a noite de sexta-feira nas redes sociais dos tricolores.

O Náutico, que não tem o preto em suas cores originais, lançou uma camisa preta - linda, por sinal - em campanha ao racismo. No vídeo institucional, o Náutico faz questão de reforçar que foi o último clube a aceitar jogadores negros. O novo uniforme faz parte de uma coleção “Nossas lutas” e traz a frase “Vidas negras importam” ao lado do distintivo do clube. A camisa do Timbú ganhou elogios e grande adesão.

Diferente de Pernambuco, o estado do Ceará tem um alvinegro. O terceiro uniforme do Ceará é, inclusive, todo preto. Usar esta cor seria se aproximar do rival histórico? Vale mudar tão radicalmente as cores do clube em função de uma causa, se esta manifestação pode ser de outra maneira?

O goleiro Marcelo Boeck, em 2018 e 2019, vestiu uma camisa rosa em alusão ao combate ao câncer de mama. Na época da Copa do mundo, o Fortaleza experimentou uma camisa amarela. Mais recentemente, usou uma camisa laranja na Copa do Nordeste, intitulada Jangada & Poesia. Historicamente o clube não foge muito de sua combinação de cores tradicionais.

Na década de 1990, alguns goleiros do Fortaleza usaram uniformes que predominavam o preto. A relação com as empresas de material esportivo era diferente. Era praticamente o mesmo layout para todas as equipes que vestiam a mesma marca. Hoje, o Fortaleza tem marca própria e autonomia para criar os modelos.

Fato é que o assunto divide opiniões. Em nossos storys no Instagram, fizemos uma enquete que teve equilibro: 48% a favor e 52% contra.


Publicidade

Veja também


Desenvolvido por