Brasileirão: Fortaleza e Ceará têm prejuízo de R$ 600 mil em 10 rodadas

Jogos sem público afetaram os cofres dos clubes

18 de setembro de 2020

Os times de Ceará e Fortaleza arrecadaram, juntos, R$ 3.056.041,00 nas dez primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro do ano passado com a venda de ingressos. Esses jogos aconteceram num espaço de tempo que durou pouco mais de dois meses, entre 28 de abril e 13 de julho de 2019. Nesse período, cada equipe fez cinco partidas como mandante. Tiveram uma arrecadação média de R$ 305,6 mil.

O cenário de pandemia tirou o torcedor dos estádios e o quadro financeiro mudou. Nas 10 primeiras partidas da atual temporada da competição, os nossos representantes tiveram um total de custos que ultrapassou meio milhão (R$ 659.444,20). Além disso, zero faturamento. Isso equivale a um valor médio de R$ 65,9 mil por partida. “Tudo arcado pelos clubes”, revelou o diretor de Finanças do Ceará, João Paulo Silva.

De acordo com o gestor alvinegro, o maior gasto que os clubes precisam pagar é da arbitragem. Pra se ter uma noção, o Ceará desembolsou R$ 41.238,84 na décima rodada (dia 13), diante do Flamengo. Esse valor foi referente ao pagamento dos árbitros, impostos e despesas desses profissionais com transporte e hospedagem.

Já o Fortaleza teve que arcar com o valor de R$ 39.249,89 quando foi anfitrião diante do Sport pela nona rodada do competição. Gasto esse, também referente à arbitragem. O valor do aluguel da Arena Castelão é fixo e custa R$ 20 mil por evento. Ano passado, era estabelecido um percentual em cima do valor arrecadado.

Público Rentável
Um total de 248.944 pessoas compareceram nos jogos disputados na Arena Castelão entre a primeira e a décima rodada do Brasileirão de 2019. Isso gerou uma média de público que beirava os 25 mil (24.894) torcedores a cada evento realizado no estádio.

Ano passado, o Ceará jogou contra CSA, Atlético-MG, Grêmio, Santos e Bahia pelas primeira, terceira, quinta, sétima e oitava rodadas, respectivamente. O Vovô arrecadou um total de R$ 1.391.677,00.

O Tricolor do Pici jogou em casa nas segunda, quarta, sexta, nona e décima rodadas. Recebeu Athlético-PR, São Paulo, Vasco, Cruzeiro e Avaí, respectivamente. Conseguiu faturar R$ 1.664.364,00.

Sem Público
Agora, com o protocolo de segurança, o máximo de pessoas presentes em cada partida limita-se a 713, e deve ser composto apenas por profissionais envolvidos com as partidas. Agentes de saúde, segurança e imprensa, além dos membros de cada equipe (diretoria, comissão técnica e jogadores).

*Procuramos o departamento de finanças do Fortaleza para comentar o levantamento, mas não obtivemos respostas.


Publicidade

Veja também


Desenvolvido por